quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Envelhecendo


Me dobro e me desdobro
fingindo nunca cansar.
Com minha alma ferida
durmo e sonho e vem lembranças
da juventude perdida.
sorrindo pra não chorar,
eu ando, eu corro e danço
entre as tulipas e margaridas.

Frágil


Minha alma é tão forte...
mas meu coração é tão frágil...
parece que bate apenas
pra que eu possa te amar.

Mulher cor do sol


Mulher
cor de sol
de luz
de dia feliz
de certezas
e de fatos
Mulher mãe
Ou apenas
Mulher
Majestosa...

Poesia amarga - poesia



Sonhei que escrevia poesias...
Acordei com boca amarga e seca
Como palavras ditas sem pensar
em momentos de triste agonia.
Poesia é imagem do espelho
que reflete olhares que fingem
almas que vagam
que não querem para seu corpo voltar

Sentimentos poesia



Te amo como gaivota voando sobre o mar revolto
sem ter onde pousar.
Te amo como ondas batendo forte contra os rochedos,
furiosamente...insistentemente.
Te amo como nuvem que passa... espessa... escura...
num céu de tempestade.
Te amo como chuva forte em terra seca
sem sementes... sem vida... improdutiva.
Te amo como lágrimas lavando saudades numa
face sem a doçura de esperanças.
Te amo como andorinha com asas feridas sem
poder voar à procura do verão.
Te amo como um lamento cansado, em silêncio
sem forças, sem sons.
Te amo como sangue jorrando em ferida aberta,
à espera da morte... à espera do fim.
Te amo como noite escura
ocultando medos, segredos, desatinos e solidão.
Te amo... Ah! como te amo
... e te amo tanto
que dói no peito... sem jeito de ser outra 
coisa que amor...banal! ...simples e sem razão
pra existir... sem porquês ... e sem querer ser...
Que não se quer deixar viver...
e que não se pode matar.

Tereza Bólico

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

No Álbum de Tereza


Amor Acaba? - poesia


Amor Proibido poesia


Espelho - poesia


Como seria ? - poesia


Inventário - poesia



2000

Se não me amas - poesia


Se vais partir - poesia



1996

Te amo - poesia



1998

Queria Mais - poesia


1999

Garoto - poesia



2003

Rasgo poesia



Tereza Bolico 2001

minha Alma - poesia


Imortal


TBolico

2002


segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Sem Palavras.....


Sem palavras mesmo...! A menina ao piano é minha neta Maluzinha. Tem 11 anos e tem aula de teclado desde os 6 anos. 
Bem... ela não é nenhum  prodígio, toca bem porque tem uma mestra muito boa, sua avó paterna, a Elisabeth Azambuja, e tem a herança musical do pai e avô, ambos músicos e compositores talentosos. 
Quando eu a vi, no momento que a foto mostra acima, eu chorei. Lembrei da gravidez de minha filha Alessandra, mãe dela. Foi sofrida, correu risco de vida e a cada minuto da gestação de Maluzinha,  nós os familiares, nos sentíamos tensos e torcíamos para  a gravidez tivesse um tempo mínimo para que o bebê nascesse forte. Minha filha teve problemas de pressão arterial e até um pequeno derrame que a cegava e impedia de trabalhar, dirigir um carro ou seja qual fosse a atividade do dia a dia. Mas chegou o grande dia com vitória, Maluzinha nasceu linda e forte, para alívio e felicidade de todos nós. 
Maluzinha é meu milagre particular, já que eu não sou uma pessoa de fé fervorosa. Ela é uma certeza que tenho de que se desejarmos algo com a força da alma,  do coração, com certeza que o bem merece ser exaltado...conseguiremos e  algum dia estaremos numa platéia  aplaudindo a vitória de uma vida que foi tão ansiada e tão amada quanto é possível amar .